Foto: Ana Kruger / CBN Curitiba

Este slideshow necessita de JavaScript.

Centenas de pessoas se reuniram em Curitiba para protestar contra o impeachment de Dilma Rousseff. Com faixas e cartazes, os manifestantes seguiram em caminhada pela região central da cidade pedindo a saída do presidente Michel Temer.

O movimento começou a se reunir na praça 19 de dezembro por volta de seis horas da tarde, depois que o impeachment já havia sido aprovado pelo Senado. Em seguida, centenas de manifestantes seguiram em caminhada, com destino à Boca Maldita, bloqueando várias ruas da região central de Curitiba. Os organizadores falam em cinco mil pessoas no ato.

Com faixas e cartazes, os manifestantes pediam a saída do presidente Michel Temer e cantavam palavras de ordem, como “golpistas não passarão”. Segundo Fernando Lopes, representante do movimento “Curitiba contra Temer”, o grupo vai continuar ocupando as ruas, pois considera que o Governo Temer não é legítimo. Mais um protesto já está marcado para esta quinta-feira, a partir das 18h, novamente com concentração na praça 19 de Dezembro.

O protesto foi pacífico e terminou sem registro de ocorrências, de acordo com a Polícia Militar. O único momento de maior tensão foi quando cerca de 30 integrantes de uma torcida organizada do Coritiba passaram perto da manifestação. Eles chegaram a explodir um rojão no local, mas a situação logo foi controlada pela PM. Os torcedores foram embora sem confusão ou tumulto entre as partes.

Ao mesmo tempo, era realizado um segundo protesto em Curitiba, mas para comemorar a saída de Dilma Rousseff. Batizado de “tchau, querida”, o ato reuniu cerca de vinte pessoas, na praça Nossa Senhora de Salete. Com um carro de som, o grupo seguiu até a Santos Andrade. A PM acompanhou todo o trajeto.

Um dos participantes do ato “tchau, querida”, o engenheiro aposentado Romeu Stencel, comemorou o impeachment, mas disse que a vitória foi menor por causa da manutenção dos direitos políticos de Dilma Rousseff.

Em frente à Justiça Federal do Paraná, local de trabalho do juiz Sérgio Moro, que se tornou um ponto comum de manifestações em Curitiba, não houve registro de nenhum ato nesta quarta-feira – apenas a Polícia Militar estava presente no local.

Repórter Tabata Viapiana

Deixe seu comentário