circo-ufpr

Um acordo mediado pelo Ministério Público garantiu que o projeto de ginástica e circo da Universidade Federal do Paraná vai continuar em funcionamento.

O risco de que as ações fossem encerradas surgiu em agosto, mas foi afastado após conversas entre o MP, a Universidade e a coordenação do projeto, que já abriu novas inscrições.

O projeto comunitário de ginástica e circo do Departamento de Educação Física da Universidade Federal do Paraná abre mais um ano em funcionamento com a certeza de que as atividades estão mantidas

Iniciado há 20 anos, completados agora em agosto, o projeto corria o risco de parar de funcionar depois de ser reprovado pela Pró-Reitoria de Extensão e Cultura no pleito por bolsas de auxílio. Com a proposta rejeitada, os graduandos ficariam sem remuneração e poderiam parar as atividades a qualquer momento.

Essa ameaça motivou mães de crianças atendidas a procurarem pelo Ministério Público. A partir daí reuniões foram feitas pela Promotoria da Infância e Juventude, que acabaram em acordo entre a coordenação do projeto e a Universidade.

Segundo a coordenadora de extensão UFPR, Iara Thielen, bolsas remanescentes foram destinadas ao projeto e a proposta agora é buscar parceiros para garantir as atividades no longo prazo.

O coordenador do projeto de Ginástica e Circo, professor Sérgio Abrahão, comemora. Para ele o atendimento à comunidade também é parte das obrigações da Federal do Paraná.

O coordenador revela que já está em contato com possíveis parceiros, para melhorar a estrutura do projeto.

Enquanto isso, com as bolsas concedidas pela UFPR, novas vagas foram abertas.

Os interessados podem procurar pelo departamento de Educação Física da UFPR, pelo telefone 3360.4325 ou ir até lá pessoalmente. Fica no Campus Jardim Botânico, o endereço é Rua Coração de Maria, número 92.

Os novos inscritos vão se juntar a 160 crianças e jovens que são atendidos atualmente pelo projeto.

As atividades acontecem de segunda a sexta-feira, das 14h às 16h com a ginástica, e das 18h às 19h30 com aulas de circo.

Repórter Cristina Seciuk

1 Comentário

Deixe seu comentário