Ex-ministro Guido Mantega é preso em nova etapa da Lava Jato

Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

Foto: Valter Campanato / Agência Brasil

O ex-ministro da Fazenda, Guido Mantega, foi preso na manhã desta quinta-feira (22) na 34ª fase da Lava Jato, batizada de “Arquivo X”. Ele foi detido em um hospital de São Paulo, por volta de 7h. Mantega estava no local acompanhando a esposa, que passa por uma cirurgia. A Polícia Federal também cumpriu um mandado de busca e apreensão na casa do ex-ministro. Ele será trazido ainda hoje para Curitiba.

A nova etapa da Lava Jato apura irregularidades na construção de duas plataformas (P67 e P70) para a exploração de petróleo na camada do pré-sal. Em 2012, as empresas Mendes Junior e OSX formaram um consórcio que fechou um contrato com a Petrobras, de mais de 900 milhões de dólares, para a construção das plataformas.

As investigações apontaram que as empresas não teriam experiência, estrutura ou tradição no mercado para assinar esse tipo de contrato. Para formar o consórcio, houve pagamento de propina a diretores da Petrobras e agentes políticos. A Mendes Junior teria repassado R$ 7 milhões, entre fevereiro e dezembro de 2013, a um operador ligado ao Partido dos Trabalhadores, por meio de uma empresa de fachada.

O consórcio também teria destinado mais de R$ 6 milhões em propina para o ex-ministro José Dirceu e pessoas relacionadas a ele. Os pagamentos foram feitos em 2013, através de um contrato falso com uma empresa chamada Tecna/Isolux. O empresário Eike Batista, ex-presidente da OSX, admitiu, em depoimento ao Ministério Público em 2012, que recebeu um pedido de Guido Mantega para que fizesse um pagamento de R$ 5 milhões ao PT.

Eike Batista disse que firmou um contrato falso com uma empresa ligada a publicitários já denunciados na Lava Jato por disponibilizarem seus serviços para a lavagem de dinheiro. Após uma primeira tentativa frustrada de repasse em dezembro de 2012, a transferência de mais de dois milhões de dólares, entre contas de Eike Batista e dos publicitários, foi feita em abril de 2013.

Ao todo, são cumpridos 32 mandados de busca e apreensão, oito de condução coercitiva e oito de prisão temporária, com validade de cinco dias, em seis estados: Minas Gerais, Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, Bahia e Rio Grande do Sul. Todos os presos serão trazidos a Curitiba.

Repórter Tabata Viapiana



Categorias:Lava Jato

Tags:, , , , , , ,

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: