Para presidente do Tribunal de Contas, caso do robô milionário parado há 13 anos é exemplo de má gestão

Foto: Tecpar

Foto: Tecpar

Para o presidente do Tribunal de Contas do Paraná, Ivan Bonilha, o caso do robô milionário parado no Tecpar, após 13 anos da aquisição pra fabricação de vacinas, é um clássico exemplo de má gestão.

Não há justificativa para um robô de 6 milhões de reais, comprado pelo Tecpar para fabricação de vacinas, ainda estar parado após 13 anos da aquisição, afirmou o presidente do Tribunal de Contas do Paraná, o conselheiro Ivan Bonilha.

O TCE condenou quatro gestores do Tecpar por manterem o robô inutilizado desde 2002. Segundo o Tribunal, desde que o equipamento foi importado, poderia ter rendido faturamento de US$ 24,5 milhões ao Paraná se tivesse sido colocada em prática a previsão de produzir 350 mil doses de vacina antirrábica humana por ano.

O Pleno do Tribunal de Contas condenou os ocupantes do cargo de presidente do Tecpar no período. Eles terão que devolver ao estado o valor correspondente ao dano da depreciação do equipamento. A corte também impôs multa, no valor de R$ 1.450,98 a cada um dos quatro gestores, por prática de ato administrativo ilegal.

Segundo o TCE, apesar de entregue, uma fiscalização apurou que o robô industrial não chegou nem a ser instalado: ele permaneceria na caixa original, no galpão de manutenção do Tecpar, em Curitiba, sob risco de incêndio ou de explosão, por conter material inflamável.

Para o presidente do Tribunal, esse é um caso clássico de má gestão.

O diretor-presidente do Tecpar, Júlio Félix, nega que o equipamento esteja parado ou defasado.

Além das punições à administração, o Tribunal de Contas determinou que a gestão atual do Tecpar apresente um plano de utilização do equipamento.
O responsável pelo Instituto afirma que já há plano para o robô, mas falta recurso.

Júlio Félix destaca que o equipamento foi importado em 2002 como parte dos investimentos cobrados pelo Ministério da Saúde, mas antes da sua instalação, o Governo Federal redirecionou a produção da antirrábica humana do Tecpar para o Instituto Butantan, de São Paulo, mantendo a empresa paranaense como fornecedora da dose veterinária.

O diretor ainda destacou que não há prejuízos e que é preciso considerar que a pesquisa científica inclui riscos de não sair rigorosamente conforme o cronograma.

Repórter Andressa Tavares

 



Categorias:Cidade

Tags:, , , , , ,

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: