Foto: Cristina Seciuk / CBN Curitiba
Foto: Cristina Seciuk / CBN Curitiba

A greve dos bancários completa três semanas. Com 380 agências fechadas, consumidores relataram à CBN os impactos da paralisação. São mais de 15 mil trabalhadores de braços cruzados, segundo o sindicato que representa a categoria.

Uma nova rodada de negociação está marcada para esta terça feira (27). Em São Paulo, bancários devem discutir as reivindicações com representantes da Federação Nacional dos Bancos.

A greve já dura três semanas. São 380 agências bancárias e 11 centros administrativos fechados em Curitiba e Região. O sindicato que representa a categoria informa que 86% dos trabalhadores aderiram à paralisação. São cerca de 15.800 profissionais de braços cruzados.

De acordo com relatos de consumidores, pagamentos e saques têm sido feitos com mais facilidade nos caixas automáticos, nas lotéricas ou pela internet. Já clientes que precisam de outros serviços, como depósitos ou desbloqueio de cartões estão sem alternativas.

Até mesmo no caso dos pagamentos alguns consumidores enfrentam dificuldades. Já que nas lotéricas podem ser pagos boletos da Caixa Econômica com valor de até R$ 2 mil. No caso de outros bancos o valor é ainda menor, com limite de R$ 700 por boleto.

Segurados do INSS também relatam problemas para receber o benefício.

Nesta segunda feira (26), o Comando Nacional dos Bancários se reuniu em São Paulo para fazer um balanço da paralisação. A categoria informou aos banqueiros que estava “de plantão” para receber uma nova oferta da Federação Nacional dos Bancos. Durante o dia a Fenaban convocou uma nova rodada de negociação prevista para às 14h desta terça.

Os bancários pedem a reposição da inflação mais 5% de aumento real, um total de 14,5%. A última proposta oferecida pela Fenaban, no dia 9 de setembro, propõe um reajuste de 7% para os salários e benefícios, somado a um abono de R$ 3.300,00 a ser pago até 10 dias após a assinatura do acordo.
A categoria recusou a oferta.

Repórter Ana Krüger

Deixe seu comentário