De acordo com os moradores, os ataques ocorrem no cruzamento da Engenheiro Rebouças com a Conselheiro Laurindo. Foto: reprodução/Google Street View
Foto: Luiz Costa / SMCS
Foto: Luiz Costa / SMCS

O que está acontecendo com os semáforos de Curitiba? Dezenas de ouvintes da rádio CBN têm relatado sinais sem funcionamento com freqüência. A Prefeitura afirma que está enfrentando dificuldades na licitação para contratar a empresa responsável pela manutenção dos semáforos. Por isso, liberou a realização de horas extras pelos funcionários para agilizar o conserto dos sinais com problemas.

Esse é o relato do analista Luiz Carlos Balan. Ele passa diariamente pelo cruzamento da rua Raul Pompéia com a avenida Juscelino Kubistchek, na Cidade Industrial de Curitiba. Ali, há um semáforo imprescindível para o trânsito fluir bem. Porém, o sinal está em alerta há duas semanas, e até agora, não foi reparado pela Prefeitura – causando transtornos à população.

O problema não está restrito à CIC. Ouvintes da rádio CBN têm relatado, nas últimas semanas, inúmeros semáforos sem funcionamento em muitos pontos da cidade – como no Centro Cívico, bem em frente à Prefeitura, no Alto da Glória, no Cabral e no Tarumã. Outro ponto que deixa o trânsito complicado é na esquina da rua Konrad Adenauer com a avenida Victor Ferreira do Amaral, uma das principais ligações de Curitiba com municípios da região metropolitana, como Pinhais e Piraquara.

A representante comercial Cíntia Barbieri disse que os problemas no semáforo quase em frente à UniBrasil são comuns e os reparos têm demorado. Há dois dias, o sinal voltou a ficar em alerta.

Na região central da cidade, são muitos cruzamentos com problemas, como nas ruas João Manoel com Carlos Cavalcanti, na Duque de Caxias com a Barão de Antonina e em pelo menos três pontos da avenida Cândido de Abreu – como relata a médica Kerstin Abagge.

Segundo a Prefeitura, Curitiba tem 1.260 cruzamentos com semáforos. Neste momento, duas situações contribuem para a ocorrência de dificuldades pontuais. A primeira são os danos causados na central de controle de semáforos durante uma tempestade no dia 6 de outubro. Engenheiros e técnicos da Setran ainda trabalham em reparos no sistema.

O segundo fator, segundo a Prefeitura, seria a dificuldade em concluir a licitação para contratação de uma empresa para serviços de manutenção de semáforos. A Setran diz que tenta resolver o assunto desde 2015, mas o processo vem sendo postergado por sucessivas impugnações apresentadas pela empresa responsável pelo serviço anteriormente.

A Setran garante que está empenhando todos os esforços para garantir a manutenção com equipes próprias, para minimizar os transtornos à população. A secretaria também liberou a realização de horas extras pelos funcionários para agilizar a manutenção dos pontos com problemas.

Repórter Tabata Viapiana

1 Comentário

  1. Mais um atestado de incompetência dos gestores públicos. Elementar que ao se aproximar a data de vencimento do contrato e claro com a previsão da burrocracia crônica do estado efetuar muito antecipadamente essa licitação. São muito irresponsáveis!.

Deixe seu comentário