Foto: Agência Brasil

O Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) estuda liberar o uso de telefones para os presidiários no estado. De acordo com o órgão, não se trata de liberar o uso de celulares, e sim de uma estratégia para evitar que aparelhos de telefonia móvel cheguem ilegalmente nãos mãos dos detentos.

Segundo o diretor do Depen, Luis Alberto Cartaxo, há um estudo em andamento sobre a possibilidade. De acordo com ele, hoje o Estado gasta aproximadamente R$ 2 milhões por mês com o sistema de bloqueio de celulares nos mais de 30 presídios espalhados pelo Paraná.

Os presos teriam acesso livre a aparelhos de telefone durante o banho de sol. Uma empresa disponibilizaria aparelhos em que os parentes ou amigos dos presos, depois de cadastrados, pagariam pelas ligações no sistema de compra de créditos.

A mesma empresa seria a responsável pelo bloqueio de celulares clandestinos. O Depen acredita que a medida pode reduzir em até 40% o número de visitas físicas no sistema penitenciário.

Hoje são aproximadamente 200 mil todos os meses.

Em agosto deste ano, atendendo a uma série de ações movidas pela Associação Nacional das Operadoras Celulares (Acel), o Supremo Tribunal Federal decidiu que as operadoras de celular não podem ser obrigadas a arcar com os bloqueadores de sinal dos presídios em todo o país.

Repórter Fábio Buchmann

Deixe seu comentário