whatsapp-image-2016-10-09-at-15-22-161

O Governo do Paraná decretou recesso escolar de cinco dias, a partir de hoje, nas escolas da rede estadual ocupadas por estudantes. O Governo também decidiu enviar ofícios ao Ministério Público, Conselhos Tutelares e ao Poder Judiciário pedindo ações em relação a adolescentes menores de idade que participam do movimento.

As decisões foram tomadas em reunião convocada pelo chefe da Casa Civil, Valdir Rossoni, neste domingo (16), para tentar resolver o impasse das ocupações nas escolas. O recesso em todos os colégios ocupados começa hoje e vai até a próxima sexta-feira (21). A preocupação do Governo, segundo Rossoni, é com o calendário escolar.

O ano letivo tem previsão de término em 21 de dezembro. Os dias entre 22 e 31 fazem parte dos trinta dias anuais de recesso. Mas, agora, há possibilidade que professores e funcionários trabalhem até 28 de dezembro.

A Procuradoria-Geral do Estado também deve enviar ainda hoje ofícios ao Ministério Público, aos Conselhos Tutelares e ao Poder Judiciário, pedindo que participem das ações com providências e fiscalização direta em relação a adolescentes menores de idade que participam das ocupações. Segundo o procurador-geral do estado, Paulo Sérgio Rosso, os atos praticados por menores podem levar à responsabilização dos pais, responsáveis pela preservação da integridade física e psicológica dos adolescentes.

Nas questões internas das escolas ocupadas, segundo o Governo, as decisões serão tomadas pelos diretores em conjunto com o conselho escolar levando em conta a realidade de cada instituição. As reuniões devem ser convocadas pelos diretores já nesta segunda-feira. De acordo com o movimento “ocupa Paraná”, 470 escolas e sete universidades estão ocupadas em todo o estado. Os alunos protestam contra a reforma do ensino médio.

Repórter Tabata Viapiana

1 Comentário

  1. Eis a prova nítida da falência do modelo de Educação pública, já passou da hora para que os gestores públicos repensem esse modelo corroído e ultrapassado, buscando formas de parcerias com instituições privadas na área da educação. O desgaste das partes envolvidas seria imensamente menor!.

Deixe seu comentário