Os vereadores eleitos em outubro serão diplomados pela Justiça Eleitoral na próxima segunda-feira (19).

Dentre os integrantes da legislatura 2017-2020, 14 são novatos e um deles já chega com proposta de mudanças no processo de votação. Pela primeira vez no cargo, Ezequias Barros (PRP) defende a implantação da biometria no plenário.

A diplomação dos futuros vereadores está marcada para a tarde da próxima segunda-feira, no teatro Positivo. Depois da cerimônia pública os novos parlamentares levarão ainda algumas semanas antes das sessões plenárias: os trabalhos serão retomados em fevereiro e já com expectativa para discussões sobre a suposta fragilidade do sistema de votações.

Ezequias Barros (PRP) – eleito no pleito de outubro – mal chegou a casa e já defende mudanças: promete a apresentação de um projeto para a instalação de biometria nas bancadas.

O futuro vereador, que tentava uma vaga no legislativo desde 2004 e já trabalhou na casa, afirma que tem conhecimento do parlamento e que a utilização da digital daria mais confiabilidade às votações.

Só em 2016 foram ao menos dois casos de fraude em votação, o primeiro deles envolvendo o ex-vereador Valdemir Soares, que renunciou ao mandato e o outro protagonizado por Chicarelli (PSDC), que admitiu ter cometido um erro e votado no lugar de um colega de plenário.

Naquelas ocasiões, a mesa diretora defendeu que o sistema de votação em funcionamento na Câmara é transparente e seguro.

Repórter Cristina Seciuk

Deixe seu comentário