Crédito: Ana Kruger

Este slideshow necessita de JavaScript.

Os mais novos calouros da Universidade Federal do Paraná comemoraram a aprovação no vestibular com o tradicional banho de lama. 5.447 candidatos foram aprovados no processo seletivo.

Para os candidatos que tiveram a emoção de ver o nome na lista de aprovados no vestibular, o banho de lama é a confirmação de que o sonho de ingressar na universidade está se realizando. Para eles, a sujeira da lama é a prova de que todo o esforço valeu à pena.

5.447 candidatos foram aprovados no vestibular 2016-2017 da Universidade Federal do Paraná. Neste ano foram ofertadas 5.564 vagas para 120 cursos. O tradicional banho de lama aconteceu no campus Agrárias, no Juvevê.

A aprovação não é comemorada apenas pelos candidatos. Familiares, amigos que fizeram parte da trajetória também participam da festa.

Em ano de preparo para o vestibular, muitas vezes os professores têm mais contato com os alunos do que a própria família. Por isso, eles também participam do banho de lama, como conta o professor de química, Nadim Assad.

Nesta edição do processo seletivo, pela primeira vez alunos de escolas públicas alcançaram a maioria das vagas ofertadas. Entre os aprovados, 59% cursaram o ensino médio em escolas estaduais.

É o caso do calouro de Ciências Econômicas, Guilherme Gonçalves Prado.

Além do banho de lama, a festa também é um momento de conhecer quem já estuda na universidade. Barracas foram montadas por vários cursos para promover o contato com os veteranos. A aluna de Medicina Fernanda Soares de Lima relata a integração com os calouros.

O reitor da Universidade Federal do Paraná, Ricardo Fonseca, homologou o resultado do vestibular às 14h desta quinta feira. Em coletiva à imprensa, ele afirmou que o processo seletivo ainda pode ser melhorado.

O prazo para a matrícula para o 1º e 2º semestres começa no dia 16 e segue até o dia 27 de janeiro. O ano letivo começa no dia 13 de fevereiro para os cursos de Medicina e Fisioterapia, e no dia 20 de fevereiro para os demais cursos.

Repórter Ana Kruger

Deixe seu comentário