Foto: Reprodução / Paraná Portal
Foto: Reprodução / Paraná Portal

O ex-prefeito de Piên, na região metropolitana de Curitiba, Gilberto Dranka, foi preso na última terça-feira (31) suspeito de encomendar a morte do prefeito eleito da cidade, Loir Dreveck, de 52 anos. Ele foi assassinado em dezembro do ano passado antes de tomar posse no cargo. Segundo a Polícia, promessas de campanha não cumpridas podem ter motivado o crime.

Gilberto Dranka, no entanto, nega as acusações. A defesa divulgou um vídeo em que o próprio ex-prefeito rebate a versão apresentada pela Polícia e diz que não encomendou a morte de Loir Dreveck.

O advogado do ex-prefeito, Claudio Dalledone, afirmou que já está estudando o caso e deve apresentar, nos próximos dias, um pedido de habeas corpus.

Gilberto Dranka está preso temporariamente, ou seja, por 30 dias. Durante esse período, a defesa pretende pedir a realização de depoimentos e acareações com os demais investigados, além de apresentar outras hipóteses para o crime.

Gilberto Dranka foi prefeito de Piên por dois mandatos, eleito em 2008 e 2012. Ele seria substituído por Loir Dreveck, que venceu a eleição do ano passado. Dreveck foi secretário de planejamento nos oito anos da gestão de Gilberto e só deixou o cargo em 2016, justamente para disputar a eleição.

Loir Dreveck morreu no dia 17 de dezembro, três dias depois de ser baleado na cabeça, enquanto viajava para Santa Catarina, pela PR-420. Ele estava num carro da prefeitura, com a família, quando foi surpreendido por um motociclista que efetuou os disparos. O prefeito eleito foi encaminhado em estado grave a um hospital em São Bento do Sul, Santa Catarina, mas não resistiu aos ferimentos.

Repórter Tabata Viapiana

Deixe seu comentário