Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado
Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Quatro testemunhas de acusação, que também são delatores da operação Lava Jato, vão prestar depoimento nesta sexta-feira em duas audiências diferentes na Justiça Federal do Paraná. Na primeira, marcada para 10h, o juiz Sérgio Moro vai interrogar, por videoconferência com Salvador, a ex-secretária do chamado setor de propina da Odebrecht, Maria Lúcia Tavares. Foi ela quem entregou aos investigadores várias planilhas que apontavam os repasses ilícitos da empresa para políticos.

A partir das 14h, serão ouvidos três colaboradores: o ex-senador Delcídio do Amaral, o empresário Zwi Skorniki, e o ex-gerente da Petrobras, Pedro Barusco. São as últimas testemunhas de acusação a prestarem depoimento na ação penal contra o ex-ministro Antônio Palocci. Preso há quatro meses, ele é acusado de ter atuado para que a Odebrecht firmasse grandes contratos com a Petrobras. Em troca, teria recebido propina superior a R$ 120 milhões em nome do PT.

A partir do dia 17, começam a ser interrogadas as testemunhas de defesa. Já há audiências marcadas até 24 de março. Entre os depoimentos previstos, há inúmeros políticos, entre senadores, deputados, ex-ministros e até a ex-presidente Dilma Rousseff. Além de Palocci, o processo tem mais 14 réus.

Ainda com relação à operação Lava Jato, o juiz Sérgio Moro decidiu soltar o ex-tesoureiro do PT, Paulo Ferreira. Acusado de ter recebido propina desviada da Petrobras, no valor de R$ 1 milhão, ele estava preso desde junho. Moro também determinou que Ferreira pague, em até 45 dias, cerca de R$ 25 mil que ainda estão pendentes da fiança estipulada pela Justiça de R$ 200 mil.

Repórter Tabata Viapiana

Deixe seu comentário