Foto: Ilustração / Marcello Casal Jr./Agência Brasil

A Operação Mustela, do Ministério Público do Paraná (MP-PR), que investiga agentes públicos e médicos que cobravam indevidamente de pacientes para furar a fila do Sistema Único de Saúde (SUS) em diversas cidades paranaenses, já teve até, essa quarta-feira (14), 43 pessoas denunciadas.

Os réus foram denunciados pela prática de 49 crimes de concussão contra 44 vítimas. Seis dos denunciados são médicos, já afastados de suas funções no SUS por decisão judicial.

De acordo com o Ministério Público do Paraná, os casos denunciados envolvem o valor total de R$ 100.800,00 de cobranças indevidas. Além das ações penais por concussão, o Ministério Público pediu indenização por danos materiais e por danos morais no valor total de R$ 440 mil, a serem revertidos para as vítimas.

A investigação do Ministério Público do Paraná sobre a organização criminosa ocorre desde 2017. A partir de depoimentos de vítimas e informações obtidas por meio de quebra de sigilos telefônicos, a operação foi deflagrada em dezembro de 2018, com o apoio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), com o cumprimento de mandados de buscas e apreensão e de prisão temporária contra alguns envolvidos.

Repórter Francielly Azevedo