Foto: Jaelson Lucas/SMCS
Terrazza Panorâmico

As relações sexuais são a principal forma de transmissão do vírus, mas ele também pode ser disseminado pelo sangue, por roupas ou objetos contaminados (como toalhas, roupas íntimas ou sabonetes), pelo beijo e durante o parto.

Por esse motivo, o diretor do Centro de Epidemiologia da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, Alcides Oliveira, fala da importância da vacinação dos jovens, antes do início das relações sexuais.

A infecção por HPV (papiloma vírus humano) é associada a vários tipos de câncer, principalmente ao de colo de útero, mas também de pênis, de vulva, de canal anal e de orofaringe, e é de tratamento complicado.

O diretor ainda lembra que a doença causa feridas principalmente na região genital, mas também em outras partes do corpo, como pernas e braços.

Em junho deste ano, o governo federal anunciou a ampliação do público-alvo para a vacinação contra a doença: meninos de 11 a 15 anos agora podem receber uma dose. Segundo Alcides Oliveira, acaba na próxima semana o prazo para os jovens de 15 a 26 anos tomarem a vacina.

Apesar do alto índice registrado em Curitiba, a cidade é a quinta capital com o menor número de casos registrados de HPV.

Repórter William Bittar

Deixe uma mensagem