Foto: Assessoria de Imprensa/ Santuário Nossa Senhora do Rocio
Terrazza Panorâmico

Considerada a cidade mãe do Paraná, Paranaguá está em festa até este domingo (17). As comemorações em homenagem à Nossa Senhora do Rocio começaram na semana passada e seguem até este final de semana.

Nesta edição, a festa completa 206 anos. A celebração fomenta a economia local e fortalece o segmento do turismo religioso. A previsão é que cerca de 300 mil pessoas passem pelo município para as festividades, 150 mil delas apenas em 15 de novembro, dia da padroeira.

De acordo a Prefeitura de Paranaguá, são 20 dias de festa com a vinda de romarias de todo o Paraná e de outros estados.

O tema escolhido neste ano para a festa é “Rocio, lugar sagrado dos paranaenses”. Segundo o reitor do santuário, padre Dirson Gonçalves, a intenção é aproximar todas as cidades do Paraná.

Os fiéis que visitam o santuário dedicado à santa também frequentam o comércio, restaurantes e outros estabelecimentos, gerando emprego e renda para região. Os hotéis estão lotados e algumas pessoas também recebem devotos em casa. 

O padre Dirson Gonçalves explica que a devoção à Nossa Senhora do Rocio surgiu em 1648, quando Paranaguá ainda era um grupo de pescadores que vivia na baía da cidade. Durante uma pescaria, a imagem da santa foi encontrada e levada por um dos pescadores para casa. 

Com fiéis já espalhados pelo Paraná e em diversas regiões do Brasil, em 1977 um grupo de bispos se reuniu e solicitou ao Papa Paulo Sexto, no Vaticano, que a Santa fosse declarada Padroeira do Paraná, pedido que foi atendido pelo Pontífice. Ao retornar de Roma, o grupo conseguiu junto aos deputados estaduais um projeto de lei que decretasse esse título à Nossa Senhora do Rocio. O projeto foi aprovado por unanimidade e a lei foi sancionada pelo então governador Jayme Canet.

Repórter Vanessa Fernandes