Agronegócio brasileiro deve seguir crescendo em 2021

Agronegócio brasileiro deve seguir crescendo em 2021
Foto: Jaelson Lucas/Arquivo AEN

De acordo com a revista Globo Rural, a expectativa de retomada econômica no Brasil e no mundo no pós-pandemia, o apetite da China por grãos e proteínas animais, a manutenção do dólar em patamares altos, a resiliência e o vigor que o setor demonstrou neste ano, sendo o único com PIB positivo, e os avanços em logística devem garantir bons resultados para o agro em 2021.

Mesmo com o aumento da pressão externa sobre o Brasil, por causa da questão ambiental — o que deve ganhar força a partir da eleição do democrata Joe Biden para a presidência dos EUA –, especialistas afirmam que as principais dúvidas para que o cenário positivo se confirme, estão relacionadas ao comportamento do dólar e do clima.

As estimativas preliminares da Conab, Companhia Nacional de Abastecimento, indicam que a safra de grãos 2020/2021 deve atingir 268,7 milhões de toneladas, alta de 4,2% em relação ao ciclo anterior. No caso da soja, a área plantada deve crescer 2,5% e a produção atingir 133,7 milhões de toneladas, um novo recorde. Para o milho, a projeção é de alta de 2,6%, para 105,2 milhões de toneladas.

Para os analistas, conta como fator positivo a venda antecipada de mais da metade da nova safra de soja, que começa a ser colhida em janeiro, assim como a comercialização de 30% a 40% da produção de açúcar estimada para o próximo ano e de 15% do previsto para 2022, o que abre espaço para o setor sucroalcooleiro migrar novamente para o etanol, de olho na esperada alta do consumo do combustível.

Ainda entra na equação um aumento de receita, com a venda de créditos de carbono por meio do programa RenovaBio. A exportação de carnes pode não ter o mesmo ritmo acelerado de 2020, mas o mercado interno deve crescer e equilibrar a balança.

Fonte: Globo Rural


Ouça a coluna completa:

CBN CURITIBA · BOLETIM CBN RURAL – 01.12.2020

Rose Machado e Sérgio Mendes


Índice de confiança do agronegócio bate recorde histórico

Cresce demanda pelo frete rodoviário no Agronegócio