Foto: AEN
Terrazza Panorâmico

O projeto lançado pelo governo do estado foi batizado como “Viver Mais Paraná” e terá duas fases. Por meio do programa, o Governo do Estado vai viabilizar a construção de condomínios com toda a infraestrutura para atender exclusivamente pessoas de baixa renda, com mais de 60 anos.

Em um primeiro momento eles serão construídos em 14 cidades, todas com população acima de 70 mil habitantes. Porém, a intenção da Cohapar, Companhia de Habitação do Paraná, que coordena o programa, é baixar esse limite para municípios a partir de 30 mil moradores. A ideia seria espalhar a ação por todas as regiões do Paraná, em áreas doadas pelas prefeituras ou adquiridas pela própria companhia.

O governador Ratinho Jr destacou alguns fatores envolvendo a iniciativa

Poderão participar da seleção das unidades pessoas idosas com renda de um a seis salários mínimos, e que não sejam proprietários de outros imóveis.

Os escolhidos poderão residir nas casas por tempo indeterminado, sozinhos ou em casais, com o pagamento de uma contrapartida mensal de 15% de um salário-mínimo, o que equivale atualmente a 149 reais e 70 centavos.

Segundo o governador, trata-se de um aluguel social.

Os primeiros empreendimentos serão construídos em Cascavel, Cornélio Procópio, Fazenda Rio Grande, Foz do Iguaçu, Guarapuava, Irati, Jaguariaíva, Londrina, Maringá, Palmas, Piraquara, Ponta Grossa, Prudentópolis e Telêmaco Borba.

Os condomínios de Foz e Jaguariaíva, inclusive, já estão em construção. Há outros quatro projetos em fase de licitação. Jorge Lange, presidente da Cohapar, deu mais detalhes sobre o  planejamento para expandir o programa.

As prefeituras serão responsáveis pela manutenção dos condomínios. Caberá às administrações municipais também a prestação de serviços periódicos básicos de saúde e assistência social, em espaços reservados para esta finalidade.

Também estão incluídas no programa unidades habitacionais com condições facilitadas de financiamento para pessoas com renda de até seis salários mínimos, além de moradias totalmente subsidiadas para pessoas em situação de vulnerabilidade social.