Foto: Marcos Solivan/UFPR

A UFPR divulgou uma nota nesta quinta-feira (02) logo após ficar ciente de que a instituição teria uma redução de 30% na verba de custeio, o que significa R$ 50 milhões a menos nos cofres da instituição.

O texto afirma categoricamente que a partir de agosto, a instituição vai parar de funcionar por falta de condições. O reitor da instituição, Ricardo Fonseca foi enfático ao falar com a CBN sobre o clima de apreensão na universidade com a ameaça de paralisação das atividades.

O assunto provocou enorme repercussão. Em redes sociais são diversas assembleias e mobilizações organizadas por entidades que representam funcionários, professores e alunos. 

Uma delas acontece pela manhã, organizada pela Associação dos Professores da UFPR. É no pátio que fica no na reitoria da instituição. No texto, uma espécie de convocação, é afirmado que  a comunidade acadêmica precisa se posicionar contra a maior investida do governo federal contra a educação pública superior desde sua posse.

Já o Diretório Central Estudantil da Universidade Federal do Paraná, convocou  o Conselho de Entidades de Base para um encontro marcado para o dia 09 de maio no Prédio Histórico da UFPR, na Praça Santos Andrade.

A Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR) também terá que funcionar com recursos escassos nos próximos meses. A instituição deve ter uma redução nos repasses de aproximadamente 38 milhões. Na próxima terça-feira acontece uma assembléia na quadra central do campus da instituição que está localizado no Centro de Curitiba. Debates e assembleias sobre o tema também ocorrem em algumas cidades do interior do estado, onde existem campi das universidades federais.

Repórter Fabio Buchmann