Foto: Francielly Azevedo
Terrazza Panorâmico

O tumulto começou pouco depois de o presidente da Assembleia Legislativa do Paraná, Ademar Traiano (PSDB), iniciar a Sessão Plenária. Nas galerias, estavam autorizadas apenas 250 pessoas no segundo balcão para acompanhar os trabalhos dos deputados, o que desagradou os manifestantes.

Quem ficou fora do prédio, forçou a entrada. A polícia de início recuou e o portão da Assembleia Legislativa foi abaixo. Já dentro do edifício, os servidores tentaram entrar no Plenário, por meio do Comitê de Imprensa. Uma grade de ferro que protege a porta de vidro foi arrancada.

O Batalhão de Choque da Polícia Militar usou spray de pimenta e cassetetes. Do outro lado, os manifestantes jogaram contra os policiais pedaços de concreto arrancados de um vaso de planta.  Não demorou muito e a porta de vidro ficou estilhaçada. Duas pessoas ficaram feridas e foram encaminhadas ao hospital.

Quatro servidores que entraram no Plenário foram detidos pela Polícia Militar. Um grupo de parlamentares argumentou para que eles fossem liberados, como explica o deputado Professor Lemos (PT).

Diante do confronto, o presidente da Assembleia, Ademar Traiano, encerrou a sessão plenária.

Entre as mudanças previstas no pacote enviado pelo Poder Executivo estão o aumento da contribuição dos servidores de 11% para 14% e o estabelecimento de idade mínima para aposentadoria de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres. Segundo o Governo, o projeto segue o molde da Reforma da Previdência aprovada em nível federal e seria apenas uma adequação. O pacote é formado por dois projetos de lei ordinária e uma Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

O presidente da APP-Sindicato, Hermes Leão, afirma que faltou diálogo por parte do Governo.

Nesta terça-feira (3), durante o tumulto, mais de 50 emendas parlamentares foram apresentadas à PEC, antes do término da sessão. Depois disso, a Comissão Especial formada para analisar a proposta se reuniu para conferir item por item.

Segundo o presidente da Comissão Especial e líder do Governo na Assembleia, deputado Hussein Bakri (PSD), o tramite acontece dentro do tempo normal.

A votação em Plenário pode acontecer nesta quarta-feira no período da tarde, mas até o fechamento desta reportagem não havia sido confirmada pelo presidente do legislativo.

Os outros dois projetos de lei ordinária ainda precisam passar pela Comissão de Constituição e Justiça antes de seguir para o Plenário. Uma reunião estava marcada para o fim da tarde desta terça-feira, mas foi cancelada.

Repórter Francielly Azevedo