Foto: Filipi Oliveira/CMC / arquivo

A análise no IPMC foi feita por dois auditores, durante um período de três semanas, em outubro.

O valor de R$ 692 milhões é referente a contribuições patronais sobre a folha de servidores inativos. Para o presidente do IPMC, José Luiz Costa Taborda Rauen, não há irregularidades na devolução.

O retorno dos repasses foi autorizado pelos vereadores, em matéria encaminhada este ano para a Câmara.

Ainda sobre o caso, o presidente do IPMC afirma que o município não deve sofrer sanções por ter realizado a movimentação dos recursos.

Além de questionar essa devolução de contribuições, os auditores também levantaram mais dois pontos.

Um deles é a devolução de taxas sem a existência de um fundo específico, o que, segundo o presidente do Intituto, já foi regularizado. O outro, um suposto desrespeito ao princípio do regime único de previdência, que, diz Rauen, também será superado.

José Luiz Rauen destacou ainda que a auditoria realizada na Previdência de Curitiba é rotineira, feita em todas as unidades da federação e cidades que tenham regimes próprios para os servidores.

Repórter Cristina Seciuk

Deixe uma mensagem