Foto: Reprodução Youtube
Terrazza Panorâmico

O ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho se apresentou, no início da tarde desta terça-feira (28), no Fórum de Guarapuava, na região central do Paraná. O ex-parlamentar tinha até hoje para comparecer e iniciar o cumprimento da pena que lhe foi imposta.

Carli Filho deve ficar custodiado na Vara de Execuções Penais de Guarapuava até que o juiz defina como ele vai cumprir o regime semiaberto. Nesta segunda-feira (27), a Justiça determinou que ele tem direito de ficar em cela separada até a implantação do semiaberto.

No pedido de habeas corpus, o advogado de Carli Filho, Roberto Brzezinski alegou “ilegalidade do decreto prisional”, porque, segundo o defensor, não há indicação do local onde o ex-deputado deve permanecer custodiado. Conforme a defesa, Carli Filho, que mora em Guarapuava, “tem o direito de cumprimento de pena no local de residência e próximo ao núcleo familiar”.

Procurado pela reportagem, o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen) informou que não há detalhes sobre o cumprimento da pena do ex-deputado, isso porque, ainda não houve manifestação da Vara de Execuções Penais de Guarapuava.

No ano passado, Carli Filho foi condenado, em júri popular, a 9 anos e 4 meses de prisão, em regime fechado, pela morte de Gilmar Rafael Yared e Carlos Murilo de Almeida, em um acidente de trânsito ocorrido em maio de 2009. O ex-deputado estava embriagado e em alta velocidade.

Após a condenação, o Tribunal de Justiça avaliou se o julgamento seguiu o rito legal e se a dosimetria da pena, que é o tempo fixado na sentença foi o correto. No julgamento, em fevereiro, o TJ definiu pela redução da pena para 7 anos, 4 meses e 20 dias de prisão, em regime semiaberto.

Decisão da juíza Liliane Graciele Breitwisser aponta que o ex-deputado estadual Carli Filho deve ser imediatamente conduzido à Penitenciária Industrial de Guarapuava, onde será mantido em cela especial, uma vez que é portador de diploma de curso superior.

Paralelamente, a juíza solicitou com urgência a manifestação das partes envolvidas no processo quanto à definição do local onde o ex-deputado vai cumprir a pena, já que em Guarapuava inexiste estabelecimento penitenciário destinado ao cumprimento da pena em tal regime.