Foto: Divulgação/São Paulo
Terrazza Panorâmico

Após o pedido de adiamento feito pela defesa, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) analisa, nesta quinta-feira (14), o pedido de habeas corpus de Cristiana Brittes, uma das acusadas de envolvimento na morte do jogador Daniel Corrêa Freitas, de 24 anos, em outubro do ano passado.

Cristiana é esposa de Edison Brittes, autor confesso do assassinato do jogador. Cristiana é peça pivô de todo esse caso, uma vez que, Edison afirma que matou o jogador após ele tentar estuprar a esposa. Para o Ministério Público e a Polícia Civil, a tentativa de estupro nunca aconteceu.

Cristiana Brittes, Edison Brittes e Allana Brittes, filha do casal, estão presos desde a época do crime. Eles foram detidos dias depois que uma testemunha procurou pela Polícia Civil para denunciar a família pela morte do jogador.

Além deles, Eduardo Henrique da Silva, David Vollero Silva e Ygor King também estão presos, por participação nas agressões e morte de Daniel.

Evellyn Brisola Perusso também foi denunciada no caso, mas é a única que responde em liberdade.

Daniel Corrêa Freitas era jogador de futebol e foi encontrado morto na manhã do dia 28 de outubro, em um matagal, na Colônia Mergulhão, zona rural de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Ele participou da festa de 18 anos de Allana Brittes em uma casa noturna de Curitiba e depois seguiu para a casa de Edison Brittes, onde as agressões contra ele começaram.

Cristiana Brittes e Allana Brittes estão presas na ala feminina da Penitenciária Estadual de Piraquara, enquanto Edison Brittes e os outros presos estão detidos na Casa da Custódia de São José dos Pinhais.

A Justiça já marcou o interrogatório dos acusados e também das testemunhas para os dias 18, 19 e 20 de fevereiro. A responsável pelo caso e pelas audiências é a juíza Luciani Martins de Paula da 1ª Vara Criminal de São José dos Pinhais.

Repórter William Bittar