Foto: Lucian Pichetti
Terrazza Panorâmico

Boneca de pano. Um dos brinquedos mais antigos da humanidade. Quem poderia imaginar que ela se tornaria um instrumento contra o abuso infantil. São 45 bonecas. Cada uma tem duas faces, uma feliz e outra triste. Elas representam o que as crianças sentem quando são tocadas. Até porque nem todo toque é ruim, como explica a escritora Mara Melnik, uma das organizadoras do Chá de Bonecas.

O Chá de Bonecas foi uma ideia de outra escritora, Neide Lunas, que não quer que as meninas passem pelo que ela passou na infância.

Segundo Neide, as vezes situações de abuso são descobertas no chá. A criança percebe que recebeu o “toque do não” e comenta com as organizadoras do evento. Possíveis casos são encaminhados ao Conselho Tutelar.

A sexualidade é trabalhada na escola, mas apenas superficialmente. O chá de bonecas vai além. Empodera meninas contra o abuso e por isso merece um espaço nas escolas. Mara Melnik torce para que isso aconteça.

Viviane Lourenço é mãe de duas meninas, uma de 10 e a outra de 7 anos. Para ela, falar sobre o abuso com as crianças é necessário.

O Chá de Bonecas é uma forma colorida, lúdica e divertida de passar um recado tão importante. Flávia Valenga, de 11 anos, disse que sempre recebe orientação em casa, para não aceitar, por exemplo, presentes e caronas de estranhos. A menina gostou da maneira como o assunto foi abordado.

O próximo chá de bonecas vai ser no dia 30 de outubro, na Igreja do Nazareno, no bairro Uberaba, em Curitiba. O endereço é: Rua Francisco Timóteo de Simas, 800. Podem participar meninas de 4 a 12 anos. Inscrições pelo telefone: (41) 9 8418 1099.

Repórter Lucian Pichetti

Deixe uma mensagem