Foto: Gaeco

O chefe de gabinete da Prefeitura de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), foi preso em flagrante na noite desta segunda-feira (29) pelo Grupo de Atuação e Combate ao Crime Organizado (Gaeco) pelo crime de extorsão.

De acordo com o coordenador do Gaeco Leonir Battisti a investigação iniciou a partir de denúncia de um empresário que afirmou estar sendo vítima de “insistentes pedidos e constrangimentos por parte do funcionário público”, que pedia dinheiro ao empresário.

De acordo com informações do Gaeco, o empresário gravou conversas em que o servidor cobrava pagamentos.

O coordenador do Gaeco explica que na noite desta segunda-feira, o chefe de gabinete foi flagrado recebendo R$2,5 mil em dinheiro do empresário.

Battisti explica ainda que o servidor foi preso em flagrante pelo crime de extorsão.

O Gaeco investiga se outros prestadores de serviço ou fornecedores que mantém contrato com a administração municipal também foram extorquidos pelo chefe de gabinete. Segundo Leonir Battisti, as investigações continuam, e até o momento não há provas de envolvimento de outros servidores da prefeitura nas extorsões.

Na manhã desta terça-feira (30), o grupo cumpriu mandado de busca e apreensão no gabinete do servidor como parte das investigações.

Em nota a Prefeitura de Piraquara comunicou a exoneração do servidor, em razão da operação deflagrada pelo Gaeco nesta segunda-feira, dia 29. Ainda de acordo com a nota, todas as medidas necessárias para preservação do interesse púbico estão sendo adotadas. A Controladoria Geral do Município já foi acionada para auditar todos os procedimentos administrativos pertinentes aos contratos firmados com a empresa. Também serão tomadas todas as providências para que o andamento das obras não sofra prejuízo. 

A nota da prefeitura diz ainda que desde o conhecimento da ocorrência, o município se mantém à disposição do Ministério Público e do Poder Judiciário para apurar os fatos que envolvam a Administração Pública de Piraquara.

Repórter Vanessa Fernandes