Foto: Divulgação Facebook

A deputada federal Christiane Yared (PR) publicou uma carta aberta ao presidente da República Jair Bolsonaro (PSL) em que critica a postura do governo de suspender a instalação de 8 mil radares em rodovias federais. O anúncio foi feito, neste domingo (31), pelo presidente no Twitter.

Bolsonaro afirmou que a grande maioria dos radares tem o “único intuito de retorno financeiro ao estado”. O presidente declarou ainda que o governo vai revisar todos os contratos de radares “verificando a real necessidade de sua existência para que não sobrem dúvidas do enriquecimento de poucos em detrimento da paz do motorista”.

Para a deputada, os radares ajudam a controlar a alta velocidade, fator que é a principal causa de mortes nas rodovias.

A deputada ressalta que existem outras formas de se combater a conhecida “indústria da multa”. Ela destaca que a Comissão de Viação e Transporte da Câmara dos Deputados aprovou um projeto que altera o Código de Trânsito Brasileiro (CTB) para proibir qualquer relação entre o pagamento recebido por empresas que administram os radares e o valor de multas aplicadas.

O especialista em trânsito, Celso Mariano, lembra que o Brasil tem um compromisso com a Organização das Nações Unidas (ONU) para reduzir as mortes no trânsito. Diante disso, ele explica que o limite de velocidade é definido de acordo com a estrutura da rodovia.

Celso Mariano também conta que a medida anunciada impacta apenas as rodovias federais. 

A violência no trânsito deu início à vida política da deputada Christiane Yared. Em maio de 2009, o filho dela, Gilmar Rafael Yared, de 26 anos, e Carlos Murilo de Almeida, de 20 anos, morreram após o ex-deputado estadual Luiz Fernando Ribas Carli Filho – alcoolizado, com a CNH suspensa e em alta velocidade – atingir o veículo em que os dois estavam.

Cinco anos após a tragédia, Christiane se candidatou e foi eleita deputada pelo Paraná com mais de 200 mil votos.

A deputada Christiane Yared afirmou que tem uma reunião nesta semana com o presidente Jair Bolsonaro para debater a suspensão dos radares.

Repórter Francielly Azevedo