Foto: Pixabay

Quão difícil é a vida hoje em dia. Quem não tem um problema ou uma situação complicada a resolver? Quem não perde noites de sono pensando em soluções difíceis de encontrar?

A tendência natural é o lamento, a busca da razão dos infortúnios e, até, sentir pena de si mesmo.

Também me abato com os reveses do caminho, mas quando isso acontece, me lembro de uma frase: nunca devemos rezar suplicando cargas mais leves e sim ombros mais fortes.

Há somente duas opções de tratarmos as provas que surgem em nosso caminho: encará-las ou lamentá-las.

A maioria das pessoas fica no último grupo, sofrendo e perdendo tempo, já que não há mal que sempre perdure. E a saída é olhar de frente para o problema e solucioná-lo; ou esquecê-lo. Simples assim.

Lembram da frase de nossos avós? O que não tem solução, solucionado está!

Pois é a pura verdade. Quando não encontrar saída, construa outra. Sabe como? Mudando o foco.

O oposto da vida não é a morte. É a covardia de não viver, de não seguir em frente. De deixar de lutar. De parar de sonhar.

Sonhos são gratuitos. Mas transformá-los em realidade tem preço.

A vida só não perdoa os que não têm coragem de vivê-la. Os que, abatidos, não querem se levantar. Afinal, quem vai crer em quem não crê em si mesmo?

Por fim, a vida é cíclica, alternando períodos de prosperidade e de provações.

Temos, sofrido, aprendido e merecemos um tempo de bonança.

Por Renato Follador,

Consultor em Previdência e Finanças.