Foto: Rômulo Cardoso/Amapar
Terrazza Panorâmico

Dezenas de representantes do Ministério Público, das polícias e de associações da magistratura, federais e estaduais, participaram de um ato público realizado em frente à Justiça Federal, em Curitiba, em uma manifestação nacional contra o projeto de lei sobre o abuso de autoridade aprovado em regime de urgência pelo Congresso Nacional, na semana passada. Os atos estão programados para vários estados até sexta-feira (23).

Integrantes da força-tarefa Lava Jato também participaram do ato, como o coordenador Deltan Dallagnol e Roberson Pozzobon, além do juiz titular da 13ª Vara Criminal Federal de Curitiba, responsável pelos julgamentos em primeira instância e a juíza-substituta Gabriela Hardt, que condenou o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, no processo do sítio de Atibaia.

Os atos pedem vetos ao projeto aprovado no Congresso Nacional que, na visão dos magistrados, enfraquece a independência do Judiciário, do Ministério Público e das polícias.

De acordo com o projeto aprovado no Senado e na Câmara, será considerado crime, entre outros pontos, obtenção de provas por meio ilícito, decisão por prisão sem amparo legal, decretação de condução coercitiva sem antes intimar o comparecimento ao juízo e estender a investigação de forma injustificada.

Repórter William Bittar