Foto: Assessoria P2/Divulgação
Terrazza Panorâmico

O comerciante Edison Brittes Júnior, de 38 anos, que confessou ter matado o jogador de futebol Daniel Corrêa Freitas, de 24 anos, mentiu para um amigo de Daniel após o corpo do rapaz ser encontrado na manhã do dia 27 de outubro, na Colônia Mergulhão, zona rural de São José dos Pinhais, na região metropolitana de Curitiba.

Em um áudio ao qual a CBN Curitiba teve acesso, Edison afirma que o jogador saiu da casa na manhã daquele sábado, sozinho e sem falar para onde iria. Além disso, chegou a falar que o rapaz era forte, “vacinado” e que simplesmente saiu, sem falar com ninguém.

Edison alega que Daniel tentou estuprar a esposa Cristiana Brittes e que perdeu a razão ao ver o rapaz sobre a mulher. Em um vídeo divulgado recentemente pela defesa do comerciante, ele chama Daniel de monstro e covarde, mas na ligação, aponta como um rapaz super querido pela família.

A ligação durou cerca de dez minutos e Edison ainda chamou a morte de Daniel uma tragédia.

Nesta segunda-feira (5), Cristiana Brittes e Allana Brittes, esposa e filha do comerciante, prestaram depoimento na Delegacia de São José dos Pinhais. Cada uma falou por cerca de uma hora e meia.

Edison Brittes também deveria ter prestado depoimento, mas o delegado responsável pelo caso vai marcar uma nova data para que o comerciante seja ouvido.

A Polícia Civil ainda marcou para esta quinta-feira (8) o depoimento de pelo menos um dos outros três investigados que teriam participado nas agressões e morte do jogador.

Repórter William Bittar