Foto: Divulgação/PR Press

Um “coworking social” gratuito de Curitiba, que atua nas regiões do Parolin, Vila das Torres e Capanema, três dos bairros mais pobres da cidade, atende pessoas que estão em situação de vulnerabilidade social ou com baixa renda com o objetivo de auxiliar jovens a empreender e gerar renda para a família.

Entre as áreas de estudo do “coworking” estão oficinas de imagem pessoal, de currículo e de emprego, para ajudar os alunos a conquistar um espaço que antes parecia inatingível para eles.

Além de aprender, eles reencontram motivos para seguir sonhos e também influenciar outros jovens que estejam passando por dificuldades.

Uma das pessoas atendidas é a Ediléa Pereira do Carmo, grávida de dois meses e que sustenta a casa onde mora com a família, na Vila Torres. Agora ela produz e vende bolo no pote, mas, há três meses, a realidade dela era outra.

Ela começou a vender para ajudar a comprar os remédios para a avó, mas ela faleceu há três semanas. Agora ela faz para conseguir dar uma vida melhor para o filho que está a caminho.

O Coworking Social funciona há cinco anos e tem como foco pessoas com idade entre 14 e 35 anos.

A sócia fundadora da Youngers e principal responsável por esse treinamento, Geovana Conti, explica que os encontros semanais auxiliam essas pessoas a descobrir as habilidades, tirando as famílias do ócio e ainda aquece a economia local.

Cada curso tem 20 alunos e primeira fase dura uma semana. Depois do negócio montado, é hora de sair às ruas e não importa o resultado, o objetivo é fazer melhorias e, por fim, apresentar a um grupo de convidados com potencial de investir e adotar os jovens e seus empreendimentos.

O custo para capacitar uma turma de 20 alunos é de, aproximadamente, R$ 10 mil. Atualmente, a empresa possui quatro patrocinadores, que investem uma vez por ano.

Repórter William Bittar