Foto: Marcelo Ricetti
Terrazza Panorâmico

O 29 de abril foi dia de paralisação dos servidores públicos estaduais, no Paraná. As manifestações ocorreram nas maiores cidades do Estado. Aqui na capital, a concentração, de cerca de 7 mil trabalhadores, foi na Praça Santos Andrade, em frente ao prédio histórico da Universidade Federal do Paraná, a partir das 9 horas da manhã.

Depois, os trabalhadores saíram em caminhada pelas ruas centrais da cidade, com destino ao Centro Cívico. No Palácio Iguaçu, uma comissão representando 30 categorias de servidores foi recebida pelo vice-governador Darci Piana e pelo secretário da Comunicação e Cultura, Hudson José. Ao final da reunião, o vice-governador anunciou a formação de uma comissão, composta por deputados estaduais e representantes dos servidores e do governo, para avaliar a possibilidade de reposição das perdas salariais da categoria, levando-se em conta os compromissos do governo e a lei de responsabilidade fiscal.

O deputado Professor Lemos (PT), que acompanhou a reunião, contesta a posição do governo. E disse que há sim condições para que o governo do Estado promova a reposição da defasagem registrada entre 1.º de maio do ano passado e 30 de abril deste ano.

A presidente do Fórum das Entidades Sindicais, Marlei Fernandes, concorda que, depois de três anos de congelamento de salários, foi um avanço a formação de uma comissão mista de negociação. Mas não descarta a possibilidade de Greve Geral, se não houverem avanços. 

Para o deputado Hussein Bakri (PSD), líder do governo na Assembleia Legislativa, o momento é de apaziguar os ânimos e evitar desgastes.

Repórter Marcelo Ricetti