Foto: William Bittar

O Paraná inaugurou nesta terça-feira (04) o primeiro Centro Integrado de Inteligência em Segurança Pública do País. A unidade sul é a única a entrar em funcionamento, um mês depois de o Ministério Extraordinário da Segurança Pública anunciar Curitiba como sede, atendendo a um pedido feito previamente pelo próprio governo estadual.

Durante a solenidade de criação do CIISP, o ministro da Segurança Pública, Raul Jungmann, explicou as razões que embasaram a escolha.

Jungmann destacou que, por centralizar as atividades, o Paraná terá papel de protagonista na região e falou sobre os investimentos para a unidade operacional.

Segundo o ministro, entre quatro e seis policiais federais devem ser destacados para atuar no Centro, com possibilidade também da vinda de policiais do Paraguai e da Argentina, por causa da tríplice fronteira.

O Centro Integrado de Inteligência em Segurança Pública da região Sul contará ainda com integrantes das polícias de cada um dos três estados e também com agentes da PRF, da já citada Polícia Federal e da Secretaria Nacional de Segurança Pública.

O objetivo com a criação do centro é utilizar a inteligência como ferramenta no combate ao crime organizado.

Outros dois Centros Integrados de Inteligência em Segurança Pública devem ser inaugurados ainda neste mês: em Belém do Pará, que vai concentrar região Norte, e Fortaleza, no Ceará, sede da unidade Nordeste. Quando foi criado, em fevereiro de 2018, o Ministério definiu como objetivo a inauguração de cinco centros, um em cada região do país, entretanto os centros Sudeste e Centro-oeste não tem nem sede escolhida e não sairão do papel na atual gestão. Sobre a situação, Jungmann diz que, como seu sucessor, Sérgio Moro terá independência para decidir se segue ou não o a linha de atuação adotada nos últimos dez meses, mas afirma que deixa um legado para o futuro ministro a partir da consolidação de um sistema e de uma política voltados à Segurança Pública.

Repórter Cristina Seciuk