Foto: Francielly Azevedo
Terrazza Panorâmico

Quem passa pela cidade pode observar, em cima de quatro estações-tubo, os visitantes para lá de inusitados: um dragão, dinossauros, machados e escudos vikings.

As artes ficam no Passeio Público, Praça da Ucrânia, Parolin e no terminal do Portão, em frente ao Museu Municipal de Arte (MUMA).

As ações fazem parte da programação do Geek City, maior evento de cultura pop da região sul do Brasil, e contam com apoio da Prefeitura de Curitiba, Gibiteca e Vale do Pinhão.

Uma das organizadoras do Geek City, Caroline Hecke, ressalta que a escolha dos símbolos vikings foi feita para chamar atenção sobre a programação do evento.

Além de Alex Hogh Andersen, o evento também terá as presenças de Paul Zaloom, de “O Mundo de Beakman”, e o elenco do grupo de humor “Hermes e Renato”.

O Geek City será realizado de sexta-feira (30) a domingo (1º) no Expo Barigui. A expectativa é que 40 mil pessoas passem pelo evento durante os três dias, segundo a organizadora.

Mas o que é a cultura Geek? Nas décadas de 80 e 90 os geeks eram conhecidos como nerds, que geralmente eram motivo de chacota. Com o avanço da tecnologia, os chamados nerds deixaram de ser pessoas isoladas e passaram a ser foco de muitos mercados, como explica Caroline.

Curitiba é considerada a melhor cidade do país dentro do universo geek. Vários eventos acontecem aqui. Além do Geek City, estão previstos o Shinobi Spirit, em outubro, que é o principal evento de cultura pop do Paraná, e o prêmio Cubo de Ouro, maior premiação nerd brasileira, com 15 categorias.

O responsável pelo prêmio Cubo de Ouro, Lucio Woytovicz Junior, diz que, apesar de Curitiba ter muito mercado para cultura geek, ainda falta reconhecimento.

Os ingressos para o Geek City estão à venda. O passaporte para os três dias custa R$ 150 a meia e para apenas um dia de evento R$ 60 a meia entrada.

Repórter Francielly Azevedo