Foto: Jaelson Lucas/SMCS
Terrazza Panorâmico

A tarifa diferenciada no transporte coletivo de Curitiba começa a valer a partir de 16 de outubro, com preço de R$ 3,50 (R$ 1,00 a menos que a tarifa convencional). Na prática, a lei permite que sejam cobrados valores diferentes fora dos horários de pico, ou seja, das 9h às 11h e das 14h às 16h.

A medida foi sancionada pelo prefeito Rafael Greca, nesta quinta-feira (26), que explicou que a iniciativa é uma experiência para ver se a cobrança diferenciada não afeta do equilíbrio financeiro do sistema.

A novidade será implantada em 17 linhas, sendo 14 convencionais e três alimentadoras. Juntas, elas transportam, segundo a prefeitura, 80 mil pessoas por dia.

As linhas são: as alimentadoras Solar, São João e Tingui; e as convencionais Ahu/Los Angeles, Juvevê/Água Verde, Detran/Vicente Machado; Lindóia; Dom Ático; Novo Mundo; Vila Sandra, São Braz e São Bernardo.

Conforme o prefeito, o critério foi a ligação entre o Centro e os bairros.

O presidente da Urbanização de Curitiba, Ogeny Pedro Maia Neto, destacou que a mudança será gradativa a partir do dia 16 de outubro.

De acordo com Maia Neto, a tarifa diferenciada só será válida para o pagamento com cartão transporte, e nos pontos convencionais fora dos terminais.

O presidente da Urbs afirma que haverá melhoria na gestão operacional da frota, com melhor distribuição do uso dos veículos ao longo do dia, diminuindo a ociosidade do sistema.

Também foi anunciada a criação de uma linha de vizinhança, que liga Santa Rita, Carbomafra, Vitória Régia, Vila Verde ao Terminal da Cidade Industrial. A ideia é que, no futuro, ela seja ampliada ao Terminal do Tatuquara e Rio Bonito.

No início do mês, a Coordenação da Região Metropolitana de Curitiba (Comec) anunciou um projeto piloto para aplicação de tarifa diferenciada de R$ 3,90 na linha Pinhais/Guadalupe entre às 9h e às 11h; 14h e 16h; e 20h e 00h.

Repórter Francielly Azevedo