Curitiba: volta às aulas vai seguir normativa da Sesa

Curitiba: volta às aulas vai seguir normativa da Sesa
Foto: AEN

O Sindicato das Escolas Particulares (Sinepe/PR) está cobrando da Prefeitura de Curitiba para que seja criada uma comissão para discutir o retorno das aulas, a exemplo do que acontece no governo estadual.

A entidade diz que têm buscado um diálogo junto a Prefeitura de Curitiba, diante da necessidade de se planejar e organizar o retorno das aulas presenciais da rede privada – Educação Infantil, Ensino Fundamental 1 e 2, Ensino Médio, Ensino Superior e Escolas de Idiomas/ Cursos Livres – o mais breve possível.

De acordo com o sindicato, a entidade apresentou a Prefeitura uma proposta de um Plano de Retomada às Aulas para a Educação Infantil e Ensino Fundamental – para os anos iniciais e para atender os filhos das mães que voltam a trabalhar.

Por meio de nota a Prefeitura de Curitiba informa que integra o Comitê Estadual de Volta às Aulas e que seguirá as normativas e cronograma estabelecidas por este comitê para o retorno das atividades presenciais. De acordo com a nota, a avaliação das medidas na cidade é permanente e baseadas em critérios epidemiológicos do novo coronavírus.

O informa da Prefeitura de Curitiba ainda diz que o diálogo com os setores também têm acontecido com frequência. Em junho as secretárias municipais da Saúde e da Educação receberam representantes do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do Estado do Paraná (Sinepe-PR) e da Associação das Escolas de Educação Infantil (Assepei), para avaliação do cenário.

Já com relação ao Comitê de Volta às Aulas que está sendo feito junto com a
Secretaria de Estado da Educação (SEED), no último dia 14 de julho, foi falado sobre a organização do rodízio necessário dentro das escolas, assim como nas medidas sanitárias fundamentais junto à SESA, para minimizar os riscos de contágio.

Após a reunião com a SEED, o Sinepe/PR obteve aval para o retorno das aulas presenciais em cidades como Foz do Iguaçu, cujo Ensino médio deve regressar no dia 27 de julho. A expectativa do sindicato é de que o retorno das aulas presenciais no estado deva ocorrer, gradativamente, na segunda quinzena de agosto – cerca de 150 dias após a suspensão decretada em 20 de março.

Repórter Grasiani Jacomini