Foto: William Bittar
Terrazza Panorâmico

A Polícia Civil deve indiciar seis pessoas por homicídio qualificado nas investigações sobre a morte do jogador Daniel Corrêa Freitas, de 24 anos. Edison Brittes, autor confesso do crime, Cristiana Brittes, esposa de Edison, Allana Brittes, filha do casal, e mais três jovens. A afirmação é do delegado Amadeu Trevisan, da delegacia de São José dos Pinhais, responsável pelo caso.

Na manhã desta terça-feira (6), ele falou sobre os depoimentos prestados por Cristiana e Allana, na tarde de segunda-feira (5). Edison também deveria ser ouvido na manhã desta terça, mas o advogado de defesa não compareceu à delegacia.

Trevisan desmentiu as afirmações dadas pelas duas em depoimento e revelou que houve coação de testemunhas por parte da família Brittes.

O delegado também falou sobre o laudo do corpo do jogador onde ficou constatado que Daniel estava muito alcoolizado e, portanto, não teria como se defender de nenhuma das agressões.

Trevisan ainda falou sobre a versão de Edison Brittes, que afirmou ter agido na emoção e para defender a família. O delegado disse que isso é orientação da defesa e que se fosse assim, não haveria motivo para que outras três pessoas agredissem o jogador.

Quatro testemunhas que estavam na festa na casa de Edison Brittes, devem ser ouvidas na delegacia ainda nesta terça-feira.

O delegado finalizou dizendo que deve pedir a conversão da prisão temporária de Edison, Cristiana e Allana, para prisão preventiva.

Repórter William Bittar