Foto: Agência Brasil

Delúbio Soares, ex-tesoureiro do Partido dos Trabalhadores (PT), e João Cláudio Genu, ex-tesoureiro do PP, chegaram ao Complexo Médico-Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba, por volta das 16h30, segundo o Departamento Penitenciário do Paraná (Depen).

Os dois passaram por exames de corpo de delito no Instituto Médico Legal (IML) e depois foram encaminhados para o presídio onde cumprirão as penas.

Delúbio estava preso, desde o dia 24 de maio, na carceragem da Polícia Federal (PF), em São Paulo, quando se entregou. Ele foi condenado a cinco anos por lavagem de dinheiro na Operação Lava Jato, em 2017, pelo juiz federal Sérgio Moro, responsável pelos processos da operação em primeira instância.

O ex-tesoureiro recorreu ao Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4), em Porto Alegre (RS). Em março deste ano, o TRF-4 negou o último recurso e aumentou a pena para seis anos. A prisão foi determinada por Moro, em maio.

A defesa de Delúbio chegou a pedir para que o ex-tesoureiro cumprisse pena em Brasília, pois a filha e outros familiares residem na cidade. Porém, o pedido foi negado pela Justiça, que ainda determinou a transferência para Região Metropolitana de Curitiba.

João Claudio Genu estava no Complexo Penitenciário da Papuda, em Brasília. Ele foi condenado a 8 anos e 8 meses pelos crimes de corrupção passiva e associação criminosa pelo juiz Sérgio Moro. Após recorrer, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) também o condenou e ainda aumentou a pena, em outubro do ano passado. Genu recorreu novamente ao TRF-4, mas teve o pedido negado. Além da Lava Jato, o ex-tesoureiro foi condenado no processo do mensalão.

Desde 2016 o Supremo Tribunal Federal (STF) prevê que a pena pode começar a ser cumprida após condenação em segunda instância.

 

Repórter Francielly Azevedo

Deixe uma mensagem