Foto: Ricardo Marajó/FAS
Terrazza Panorâmico

Desde o início do ano, 768 pessoas retornaram para casa com o apoio da Fundação de Ação Social. Moradores de rua que têm família, e precisavam apenas de ajuda para reencontrá-la.

Um futuro, muitas vezes sem perspectiva, passa a ganhar traços de esperança com o apoio das equipes da FAS, que percorrem as ruas da cidade para oferecer atendimento a quem vive nessa situação.

A coordenadora de abordagem social, Vanessa Resquetti, conta que algumas histórias também marcam a vida dos agentes da FAS. 

Em função da distância, 298 pessoas receberam passagens de ônibus para retornar aos municípios de origem, grande parte em outros estados.

Quem aceita atendimento, passa por exames médicos e conversa com os profissionais da FAS para definição de um plano para saída das ruas.

De acordo com a coordenadora, são vários os motivos que levam a pessoa que tem família a deixar o seu lar e morar na rua. As drogas, doenças da idade, como problemas de memória, e conflitos familiares são os mais comuns. 

De acordo com dados da Fundação de Ação Social, 2.100 pessoas vivem em situação de rua atualmente em Curitiba. O trabalho dos educadores sociais é especializado para detectar os perfis desses moradores.

A Fundação de Ação Social orienta que a família que tiver um parente desaparecido, faça o cadastro na central 156, assim é possível que as equipes cruzem os dados com quem vive em situação de rua.

Repórter Francielly Azevedo