Edison-Brittes
Foto: Reprodução
Terrazza Panorâmico

Um dos interrogatórios mais aguardados no processo que apura a morte do jogador Daniel Corrêa Freitas, não aconteceu. Edison Brittes Júnior preferiu ficar em silêncio nesta quarta-feira (4) e não respondeu a nenhum dos questionamentos dos advogados de defesa, do Ministério Público do Paraná e da assistência de acusação.

Além dele, Ygor King e David Vollero Silva também preferiram ficar em silêncio e ficaram poucos minutos na sala de interrogatório.

O advogado de David e Ygor, Rodrigo Faucz afirmou que foi uma determinação dele para que os clientes ficassem em silêncio, já que Edison Brittes não falou.

Antes deles, foram interrogadas Allana Brittes, filha de Edison, e Evellyn Perusso. Ambas responderam a alguns questionamentos e são as únicas, por enquanto, que respondem ao processo em liberdade.

Três dias foram reservados para o interrogatório dos réus, mas a previsão é de que essa fase do processo seja encerrada nesta quinta-feira (5).

Depois disso, abre-se o prazo para as alegações finais dos advogados de defesa, da assistência de acusação e do Ministério Público do Paraná para então a juíza Luciane Regina Martins de Paula decidir se os réus vão ou não a júri popular.

Repórter William Bittar