Foto: Facebook/Uber

Mais um motorista de aplicativo foi encontrado morto neste domingo (11), após estar desaparecido há mais de 20 horas, em Almirante Tamandaré, na região metropolitana de Curitiba.

Deinison Diogo Hypolito, 25 anos, saiu para trabalhar na noite do último sábado (10) e desde então não tinha mais se comunicado com a família. Ele era motorista do aplicativo Uber e o carro dele foi encontrado no início da tarde deste domingo.

Já no final da tarde a Polícia Militar foi informada de que um corpo estava às margens da PR-418 (Contorno Norte), em Almirante Tamandaré, a poucos quilômetros de onde o carro foi encontrado. No local, foi confirmado de que era o motorista.

O corpo de Deinison foi encaminhado ao Instituto Médico Legal (IML) para apurar as causas da morte, já que não foi encontrado nenhum ferimento aparente. A principal suspeita é de que ele tenha sido asfixiado.

A Polícia Civil descartou o crime de latrocínio, roubo seguido de morte, já que nenhum pertence foi levado. O caso é investigado pela Delegacia de Almirante Tamandaré.

Por meio da assessoria de imprensa, a Uber informou em nota que “pelo que foi possível apurar, a ocorrência se deu fora da plataforma e não tem qualquer relação com o uso do aplicativo”. Segundo a Uber, o motorista não realizou viagens pelo app na data informada. Ao final da nota, a empresa “lamenta profundamente que motoristas parceiros sejam alvo da violência que permeia nossa sociedade”.

Outros casos

Esse é o terceiro caso de motorista de aplicativo morto em 23 dias, em Curitiba e Região Metropolitana. No dia 19 de janeiro, o motorista da Uber, Marcos Mathozo Cordeiro, 25 anos, foi encontrado morto com quatro tiros no bairro Botiatuba, também em Almirante Tamandaré. O que chamou a atenção da polícia foi de que o carro dele foi encontrado submerso no lago do Parque Tingui.

Dois dias depois, o motorista do aplicativo 99POP, Agnaldo Felipe Milki, 34 anos, foi assassinado no bairro Atuba, em Curitiba. Ele foi encontrado dentro do carro que utilizava para trabalhar e todos os documentos e pertences foram levados pelos assaltantes.

As investigações nos dois casos continuam e nenhum suspeito dos crimes foi preso.

Repórter William Bittar