Foto: Itamaraty

A notícia começou a circular nos bastidores do Planalto há alguns dias. O presidente Jair Bolsonaro se prepara para trocar o comando de pelo menos 15 embaixadas brasileiras consideradas estratégicas.  Entre elas a dos Estados Unidos, Portugal, Itália e França.

Entre as razões para as trocas, pelo menos uma foi citada pelo próprio presidente na terça-feira, durante um café da manhã com jornalistas em Brasília. A insatisfação com a imagem dele que está sendo propagada no exterior.

Em entrevista à CBN, o Ministro das Relações Exteriores do Brasil, Ernesto Araújo, comentou a decisão do presidente. No entanto, o ministro minimizou a situação, dizendo que a medida adotada é absolutamente normal em início de governo  .

O ministro Ernesto Araújo conversou com a imprensa em Curitiba, durante o encontro do Brics, que pela primeira vez acontece na capital paranaense.

O encontro é considerado o maior evento diplomático da cidade, desde as conferências da ONU sobre meio ambiente, que ocorreram em 2006. As discussões acontecem com portas fechadas, sem a presença de jornalistas. A proibição foi uma determinação do próprio Itamaraty. Ernesto Araújo disse que os países que integram o bloco não concordam em tudo, mas há muita habilidade para que se encontre um denominador comum nos assuntos que de fato interessam .

Outro assunto foi a expectativa com relação à visita de Bolsonaro aos Estados Unidos. Mais uma vez a Venezuela estará em pauta.

O Ministro Ernesto Araújo fez a abertura das discussões do Brics nesta quinta-feira. Ele falou por aproximadamente 20 minutos. Logo depois ele seguiu para o aeroporto Afonso Pena para retornar à Brasília.

Repórter Fábio Buchmann