Foto: Vanessa Fernandes

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso na sede Superintendência da Polícia Federal em Curitiba há 15 meses, recebeu nesta quinta-feira (11) a visita da ex-presidente da República Dilma Rousseff e da escritora espanhola e presidente da Fundação José Saramago, Pilar Del Río.

Após a visita, ambas atenderam a imprensa. Dilma Rousseff que esteve com Lula pela quarta vez desde que ele foi preso em 8 de abril de 2018, disse que foi mais uma visita comovente ao ex-presidente.

A ex-presidente falou a respeito das mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil. Dilma disse que as mensagens, trocadas pelo ex-juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, demonstram o interesse em retirar Lula do processo eleitoral.  

Dilma Rousseff se emocionou ao dizer que uma cela não é um lugar adequado para pessoas, principalmente inocentes. A ex-presidente ainda disse que acredita que a justiça será feita, para que o judiciário não seja desmoralizado.

Dilma também falou a respeito da reforma da previdência aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, ela não tinha conhecimento sobre a votação dos destaques, já que permaneceu nesta quinta-feira na sede polícia federal.Dilma disse temer o envelhecimento da população e uma repetição do que ocorreu no Chile.

A ex-presidente Dilma Rousseff disse ainda que é preciso que a população preste muita atenção, nas diferenças para aposentadoria entre diferentes categorias. Dilma afirmou que nos governos do PT o no país não havia idosos pedindo esmola.

A presidente da Fundação José Saramago Pilar Del Río, foi perguntada pela imprensa como o Brasil está sendo visto na Europa, após a prisão do ex-presidente Lula. A resposta de Pilar inicia pela perplexidade, já que segundo ela o Brasil se transformou em uma potência com visibilidade na Europa durante o governo do presidente Lula. Ela lembrou ainda a associação do nome de Lula a programas sociais como o Minha Casa Minha Vida e Fome Zero.

Pilar Del Río também foi indagada sobre qual seria a saída para o Brasil. A escritora disse que a saída está nas mãos dos próprios brasileiros, com razão, consciência e política. Afirmou que se os brasileiros utilizarem este tripé, o futuro será diferente do presente.

Repórter Vanessa Fernandes