Um grupo de 18 empresários, investigados por associação criminosa, falsidade ideológica e fraude a licitação, foi denunciado pelo Ministério Público Estadual, nesta quinta-feira.

Com a finalidade de participar de licitações de prefeituras, para fornecer uniformes escolares, os envolvidos teriam aberto várias empresas. Foram identificados, até agora, 17 cidades paranaenses e cinco estados em que houve participação do grupo em concorrências. A Vara Criminal de Telêmaco Borba recebeu a denúncia.

As investigações mostraram que as empresas pertenciam a pessoas interligadas, por amizade ou por parentesco, que fraudavam a concorrência violando o sigilo. Os crimes ocorreram a partir de 2015. E as empresas não tinham máquinas nem instalações físicas.

Deflagrada pelo Grupo Especializado na Proteção do Patrimônio Público e no Combate à Improbidade Administrativa de Londrina e pela Promotoria de Justiça de Telêmaco Borba, em 9 de julho, os réus são investigados pela Operação Cartas Marcadas. Naquele início de operação, foram cumpridos mandados de prisão temporária e de busca e apreensão em cidades do Paraná, de Santa Catarina e do Mato Grosso, pelo Gaeco de Londrina.

A denúncia, segundo o Ministério Público, decorre da primeira parte das investigações. E ainda são analisados documentos apreendidos no começo da operação.

Repórter Marcelo Ricetti