Foto: Pedro Neto

Em um julgamento que terminou somente na madrugada desta terça-feira (16) e durou mais de 16 horas, o juiz da 1ª Vara Privativa do Tribunal do Júri de Curitiba, Dr. Thiago Flôres Carvalho, condenou Ênio Ivan Bertoncello, de 34 anos, a 28 anos e 7 meses de prisão pela morte de Mahara Carolina Scremin, de 23 anos.

Ênio era o ex-companheiro da jovem e, durante o julgamento, afirmou que matou a ex-mulher a facadas por não suportar ver outro homem com ela.

O crime ocorreu em maio de 2017, na casa onde Mahara morava, no bairro Boqueirão, em Curitiba.

Na época, a Polícia Civil afirmou que Ênio chegou a ir até uma farmácia para comprar luvas cirúrgicas, pegou uma faca em sua residência e esperou um colega de faculdade de Mahara sair da casa da jovem para entrar e matar a ex-companheira.

Ênio chegou a levar o celular e o tablet da ex-mulher para tentar forjar um latrocínio, mas foi preso graças às câmeras de segurança da região e uma testemunha.

Após assassinar Mahara com golpes de faca no pescoço, Ênio ainda tentou incendiar a casa da vítima para eliminar toda e qualquer evidência de autoria do crime.

O acusado ainda postou uma mensagem de luto nas redes sociais e foi ao velório da jovem antes de ser preso.

Ênio Bertoncello foi acusado pelos crimes homicídio qualificado por motivo torpe, uso de meio cruel, dissimulação, condição do sexo feminino (feminicídio) e fraude processual.

Repórter William Bittar