Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil
Terrazza Panorâmico

O advogado Cristiano Zanin, que faz a defesa do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva esteve nesta sexta-feira (18) na Sede da Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, para despachar sobre questões relacionadas aos processos em que figura como réu.

Uma das questões já resolvidas segundo o advogado, se refere ao pedido do Ministério Público do Paraná, deferido pela juíza da Vara de Execuções Penais de Curitiba, que concedeu ao ex-presidente Lula a progressão para o regime semiaberto.

Cristiano Zanin disse que o ex-presidente reafirmou que não aceita qualquer tipo de progressão de regime, e o que deseja é a nulidade do processo que o condenou.

Zanin comentou ainda que uma liminar obtida junto ao Supremo Tribunal Federal (STF), garante a permanência do ex-presidente Lula na Superintendência da Polícia Federal em Curitiba, até o julgamento final do Habeas Corpus que questiona a suspeição do ex-juiz Sergio Moro.

Sobre a decisão que pode ser proferida pelo STF na próxima semana, que julga a prisão em segunda instância, Zanin disse que ainda não conversou com o ex-presidente Lula sobre essa hipótese. Mas garantiu que as Ações Diretas de Constitucionalidade que serão julgadas pelo supremo, são totalmente cabíveis, já que garantem a presunção de inocência, que segundo Zanin não foi assegurada a Lula.

O advogado Cristiano Zanin disse que entraria com uma liminar ainda nesta sexta-feira (18) solicitando a nulidade da progressão de pena, pedida pelo Ministério Público do Paraná.

Repórter Vanessa Fernandes