Foto: CMC

Uma ex-funcionária de gabinete da vereadora Katia Dittrich, conhecida como Katia dos Animais de Rua, contou em depoimento para a Comissão Processante da Câmara que recebeu expressamente um pedido para que repassasse R$ 2 mil de seu salário para a parlamentar. A advogada Samira Tomé relatou que isto aconteceu a portas fechadas. A solicitação partiu da vereadora e do marido dela, segundo a denunciante.

Samira e outros cinco ex-funcionários de gabinete formalizaram a denúncia contra a vereadora em agosto deste ano. Dois deles apresentaram comprovantes de transferência para a conta de Kátia Dittrich.

Outro depoente foi Ronaldo Silveira Filho, servidor municipal que estava cedido à Câmara. Ele ficou alguns meses no gabinete da vereadora. O denunciante afirmou que sabia do pedido de repasse.

Além dos dois denunciantes ouvidos nesta quarta-feira, outras duas ex-funcionárias de gabinete prestaram depoimento no dia 26 de outubro. Dois denunciantes foram dispensados porque não foram localizados para receber a intimação para depor.

Dois atuais assessores do gabinete da vereadora também falaram à comissão, mas como testemunhas de defesa. Um deles, que preferiu não gravar entrevista, citou durante o depoimento que R$ 1 mil repassados por um ex-servidor para a vereadora eram referentes à quitação de um empréstimo, feito a pedido do funcionário para Kátia.

Ele ainda disse que o empréstimo de R$ 5 mil realizado pela então chefe de gabinete e repassado para a vereadora foi um ato voluntário da ex-funcionária, para quitação de dívidas de despesas de hotéis para os cachorros atendidos por Kátia.

A assessora parlamentar Thaís Ramos, que trabalha no gabinete da vereadora, também prestou depoimento para os vereadores da comissão processante. Ela disse que efetuou repasses como ajuda para a causa da vereadora somente antes de ser nomeada ao cargo.

O advogado Paulo Golambiuk, que defende Katia, disse que a existência dos comprovantes de transferência não significa repasses pedidos pela vereadora.

O advogado ainda afirmou que há contradições entre as declarações dos denunciantes. Uma delas seria o comprovante do repasse de R$ 1 mil feito por um ex-assessor.

Nesta quinta-feira, os vereadores da comissão processante ouvem sete testemunhas de defesa. A própria Katia Dittrich também vai prestar depoimento.

Repórter Joyce Carvalho

Deixe uma mensagem