Foto: Colaboração

O funcionário da empresa Impeseg, que fazia a impermeabilização no sofá do apartamento que explodiu, no bairro Água Verde, em Curitiba, recebeu alta na manhã desta segunda-feira (22). Caio Santos estava internado em um quarto do Hospital Evangélico Mackenzie, com 65% do corpo queimado. Ele deve seguir em tratamento ambulatorial. Além dele, outras duas pessoas ficaram feridas e uma criança, de 11 anos, morreu.

A moradora do apartamento, Raquel Lamb, que teve 55% do corpo queimado, será submetida a procedimento cirúrgico de enxerto ainda essa semana. O marido dela, Gabriel Araújo, que teve 30% do corpo queimado, segue internado, mas pode receber alta nesta semana, conforme informou o hospital no último boletim médico.

O acidente aconteceu no dia 29 de junho. Com a força da explosão, as paredes do apartamento desabaram e o local pegou fogo. De acordo com as investigações, a explosão ocorreu durante a impermeabilização de um sofá. 

Raquel disse à polícia que a explosão ocorreu após ela acender o fogão e que não foi orientada sobre os riscos. Já Caio Santos, também em depoimento, afirmou que sabia dos riscos e que orientou a família para não produzirem faíscas.

Também em depoimento, outros funcionários da empresa relataram que não sabiam que os produtos eram inflamáveis e não recebiam equipamentos de proteção.

Neste fim de semana, os moradores do prédio começaram a retornar para casa, após um laudo apontar que não houve danos estruturais no edifício. Foram liberados a voltar os moradores do 1º ao 5º andar.

Repórter Francielly Azevedo