Foto: Câmara Municipal de Curitiba

Alexandro de Souza, o ex-jogador Alex, completou 40 anos na última quinta-feira. Trata-se de um dos maiores camisas 10 que já se viu na história do futebol brasileiro.

Alex disputou exatos 1009 jogos e marcou 417 gols. Uma marca de respeito em um esporte considerado o mais popular do planeta, e talvez o mais difícil de se construir uma carreira profissional.

Vestiu as camisas do Coritiba, Cruzeiro, Palmeiras, Flamengo, Parma da Italia, além do Fenerbahçe da Turquia. Defendeu também as seleções brasileiras olímpica e principal.

Foram dezenas de títulos conquistados em quase todos os times que defendeu neste período. E como teve golaços. Teve um com direito a chapéus no zagueiro e no goleiro, ninguém menos do que Rogério Ceni.

Era o terceiro gol do Palmeiras contra o São Paulo no Morumbi pelo Torneio Rio São Paulo. O próprio Alex considera este o mais bonito da carreira. Foi no dia 20 de março de 2002. A narração é de José Silvério da Record.

A carreira de Alex pode ser considerada um feito. Para alguns, coisa de cinema. E é esse o destino do jogador: as telonas. A saga de Alex nos campos virou filme.

Ou pelo menos a última parte dela. O documentário “Alex Câmera 10 – Turquia Ao Brasil – Despedida do Futebol” deve chegar aos cinemas ainda este ano. O filme mostra os últimos anos da carreira do atleta, e tem a produção executiva do jornalista Adriano Rattmann. A direção é de Cauê Serur.

A carreira de Adriano Rattmann como jornalista coincidiu com o início da trajetória da jovem revelação do Coritiba.

No Fenerbahçe, e na Turquia inteira, Alex é um mito com ares de Semideus. A idolatria tem origem mais profunda do que as quatro linhas. Alex abraçou a cultura e o povo turco.

No Fenerbahçe, Alex foi extremamente eficiente dentro de campo, aparecendo sempre no tempo certo. O Clássico turco entre Fenerbahçe e Besitkas é uma guerra.

Em um deles, o time de Alex, jogando em casa, perdia para o adversário por dois a um. Alex empatou de cabeça, no finzinho de jogo.

A transmissão é de uma TV da Turquia. A princípio não se entende nada. Mas como a linguagem do futebol é uma só, dá para saber perfeitamente o que houve no estádio naquele momento.

Mas a verdadeira paixão de Alex não é segredo pra ninguém.

Antes de encerrar a carreira, Alex decidiu sair do amado Fenerbahçe. Ainda faltava um título. Mas que titulo? Qualquer um, desde que fosse pelo Coritiba.

Alex surgiu no time profissional do verdão na década de 1990, quando as coisas não iam muito bem pelos lados do alto da glória.

O filme “Alex Câmera 10 – Turquia Ao Brasil – Despedida do Futebol” tem pouco mais de uma hora e meia de duração, e deve chegar aos cinemas do país a partir de Novembro.

No elenco, uma constelação de craques como os ex-jogadores Dirceu Lopes, Krugger, Sicupira, Evair, o goleiro pentacampeão mundial Marcos, Juninho Pernambucano, e os jornalistas Mauro Betting, Juca Kfouri e Paulo Vinícius Coelho.

Nesta segunda tem uma sessão especial, uma espécie de pré-estreia, só para convidados, em um shopping de Curitiba.

Repórter Fábio Buchmann

Deixe uma mensagem