Fim de ano será crítico caso não haja restrição, diz professor da PUC

Fim de ano será crítico caso não haja restrição, diz professor da PUC
Foto: AEN

Os números da Covid-19 em Curitiba atingiram o recorde de casos ativos – são cerca de 13 mil infectados na cidade. Sobre o assunto a CBN Curitiba conversou com o médico cardiologista, José Rocha Faria Neto, professor da Escola de Medicina da PUCPR e do EPICENTER – Centro de Epidemiologia e Pesquisa Clínica da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR) sobre a situação da pandemia.

De acordo com o especialista, a tendência ainda é de aumento no número de casos na cidade, ou seja, se não houver mudança nas atitudes iremos chegar em um cenário “catastrófico”, disse. Apesar da previsão para o fim do ano ter sido uma pandemia mais controlada, não é isso que está sendo verificado, afirma o médico. Hospitais públicos e privados estão com leitos e equipes chegando ao limite.

O professor relembra que o aumento no número de casos impacta todo o sistema de saúde, inclusive pacientes que precisam de atendimento para outras doenças. É preciso que no final de ano, o comportamento em relação as comemorações mude nas famílias e nas corporações, ressaltou.

Apesar do cansaço que os oito meses de pandemia vem causando em todas as pessoas, o médico lembra que não é momento para relaxar. Para o professor, no momento não existe outra alternativa a não ser a mudança de bandeira na cidade e medidas mais restritivas.

Confira a entrevista completa: