Foto: Reprodução/EBC

Quando os médicos cubanos foram embora do Brasil, com as mudanças no Programa Mais Médicos, do Governo Federal, a partir do fim do ano passado, 458 vagas foram abertas aqui no Paraná. Até o início de abril, 60 profissionais que estavam alocados no Estado, saíram do programa. Com isto, 48 municípios e um distrito sanitário indígena ficaram sem atendimento médico. A reposição destas vagas depende de um novo edital, segundo a presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde, Cristiane Pantaleão.

O Programa Mais Médicos passa por readequações. Os profissionais que têm formação no exterior, por exemplo, estão sendo avaliados, para se saber se eles atendem às necessidades do Brasil. E muitos dos médicos que foram designados pelo programa acabam deixando seus postos, como explica a presidente do Conselho, Cristiane Pantaleão.

A publicação de uma portaria, no início de abril, estende o prazo de pagamento da verba de custeio às unidades que perderam profissionais. A medida é considerada um avanço, junto ao Ministério da Saúde. Até porque, nestas unidades, todos os outros serviços continuam sendo oferecidos à população. 

Repórter Marcelo Ricetti