Foto: Fernando Lopes.

O lançamento da “Frente Suprapartidária por Eleições Diretas Já” aconteceu na manhã do último sábado (8) em um hotel no centro de Curitiba. Quem comandou os discursos de mobilização foram os senadores pelo Paraná, Gleisi Hoffmann, hoje presidenta nacional do Partido dos Trabalhadores, e Roberto Requião, presidente estadual do PMDB.

O principal argumento da Frente para convocar eleições diretas é a não aprovação das reformas da previdência e trabalhista. Com a base aliada do governo Temer representada pela maioria no Congresso Nacional, o movimento pelas diretas surge com um tom de radicalização.

Ao criticar parlamentares que apoiam as reformas, Nelsão da Força Sindical chegou a declarar que era preciso “dar tapa na cara” de deputados que votam contra o trabalhador. Na sequência, quem defendeu o enfrentamento físico como forma de barrar o avanço das reformas foi a própria senadora Gleisi Hoffmann. Segundo ela, não tem conversa com a base aliada.

Para a realização de eleições diretas ainda é preciso a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) que prevê o pleito caso os cargos de presidente e vice fiquem vagos até um ano antes do fim do mandato.

A PEC das Diretas foi aprovada na Comissão de Constituição e Justiça do Senado, mas precisa passar pelo plenário e ainda pela Câmara.

Entre os cerca de duzentos participantes do lançamento estavam parlamentares e representantes de partidos políticos e movimentos sociais. Com a proposta de ser algo suprapartidário, de início, a frente pelas Diretas Já tem apoio de seis partidos políticos: PT, PMDB, PSOL, PDT, PCdoB e ainda o PSB.

Apesar de ter conhecido o presidente Michel Temer ainda no início do surgimento do PMDB, Roberto Requião se tornou um dos maiores críticos do atual governo.

Outro obstáculo na rota do movimento por eleições diretas é a descrença na política e a falta de engajamento de grande parte da população. O representante da juventude do PSB no Paraná, André Avelino, afirma que é preciso esclarecer que mudanças previstas nas reformas afetam toda a população.

A Frente por Eleições Diretas Já programa um protesto nesta terça feira (11), na Boca Maldita, no Centro de Curitiba às 11h, horário em que está prevista a votação no Plenário do Senado da Reforma Trabalhista.

Repórter: Ana Krüger.

Deixe uma mensagem